Conjuntivite: sintomas, e quando procurar o médico

A conjuntivite viral aparece 4 a 7 dias depois do contato com uma pessoa ou objeto contaminado. (A conjuntivite é uma doença muito contagiosa, mas não é transmitida nem pelo vento, nem por olhar, apesar do que dizem por aí.) Começa só em um olho, e depois de uns 3 dias o outro também é afetado. A pior fase dura 7 dias (às vezes, até 10), mas algumas pessoas podem ficar com os olhos vermelhos por até 3 semanas.

Fotografia dos olhos de uma pessoa com conjuntivite.

A principal manifestação da conjuntivite viral é a vermelhidão do olho, especialmente na região mais afastada da íris (que é a parte da cor do olho). A pessoa também sente ardência, prurido (coceira) ou sensação de areia no olho, mas a dor é pouca ou nenhuma. A secreção do olho (remela) aumenta, e a pessoa pode acordar com um ou ambos olhos grudados. Às vezes a visão pode ficar embaçada, mas é só piscar para ela voltar ao normal. Algumas pessoas sentem ainda sintomas sugestivos de gripe, como congestão nasal, coriza, dor de garganta, dor de cabeça, dor muscular e febre.

A conjuntivite viral vai embora sozinha, com ou sem colírio. O soro fisiológico (ou lágrima artificial) gelado, a compressa fria e em alguns casos o paracetamol só servem para aliviar os sintomas. Colírios com antibiótico não fazem diferença alguma, pois só servem para conjuntivite bacteriana. Colírios com corticoides (como a dexametasona) aliviam os sintomas a princípio, mas fazem a infecção demorar para melhorar, e em algumas situações podem piorar em muito a infecção.

Dessa forma, em caso de conjuntivite viral, a maior indicação de passar no médico é pegar atestado; outro bom motivo é em caso de dúvida. Caso a pessoa tenha dor forte no olho, ou se a visão diminuir, é importante consultar um oftalmologista com urgência. Se a secreção nos olhos for muito intensa, ou se a pessoa acordar com os olhos grudados por mais do que três dias, talvez seja o caso de usar colírio com antibiótico, então é melhor consultar um médico, seja oftalmologista ou médico de família e comunidade.

Outro cuidado é conferir se não existe nenhum cisco no olho, pois os sintomas são semelhantes. Olhe seus olhos em frente ao espelho, inclusive virando as pálpebras de cima ao contrário para ver se o cisco não está grudado atrás dela. Se você não conseguir, isso também pode ser um bom motivo para consultar um médico, ainda que em dois surtos de conjuntivite eu nunca tenha atendido a uma pessoa sequer que tivesse um cisco no olho mas achasse ter conjuntivite.

Lembre-se: como tudo o que escrevo no Doutor Leonardo, essas são orientações gerais, e podem não se aplicar ao seu caso específico. Em caso de dúvida, consulte um médico!

Divulgue para seus amigos:

Leia também: