Perspectivas para a medicina de família e comunidade na Emescam

Dias 15 e 16 de março realizei na Emescam o Seminário Acadêmico Capixaba de Atenção Primária à Saúde (uma atividade de extensão), com a ajuda do resto da ACMFC e do CAAL. Mas o que eu queria mesmo contar para vocês é que, na mesa de abertura, a vice-diretora da Emescam anunciou que a Santa Casa de Misericórdia de Vitória pretende criar “em curto prazo” um programa de residência médica em medicina de família e comunidade.

No Espírito Santo já temos uma residência em medicina de família e comunidade, na Unesc. O programa ainda está na sua segunda turma, e já teve as vagas anuais expandidas de duas para quatro. Com a Santa Casa, expandiremos ainda mais a especialização em medicina de família e comunidade no estado. Isso é importante porque hoje são tão poucos especialistas que as secretarias municipais de saúde preferem empregar médicos quaisquer na estratégia Saúde da Família.

A abertura de uma residência médica em medicina de família e comunidade será potencializada por mudanças curriculares em andamento na Emescam, a escola da Santa Casa. A longa tradição do curso de medicina da Emescam é em geral uma grande vantagem, mas talvez por causa dessa tradição pouco mudou na escola depois do MEC atualizar as diretrizes curriculares.

Atualmente a escola está corrigindo essa falha. Devido às características próprias das diretrizes curriculares, espero que as mudanças no curso de medicina da Emescam façam com o que o aluno se forme melhor preparado para trabalhar na atenção primária à saúde. (É sempre bom lembrar que a estratégia Saúde da Família é uma forma de atenção primária à saúde.)

Continuo defendendo que a atenção primária à saúde deve ser exercida por médicos de família e comunidade, e não médicos sem especialização alguma. Mas, enquanto não temos um número suficiente de especialistas em medicina de família e comunidade, é melhor que a atenção primária à saúde seja feita por médicos que tenham alguma noção do assunto. Nem que seja para eles saberem o que é que eles deveriam saber mas ainda não sabem.

Uma ideia sobre “Perspectivas para a medicina de família e comunidade na Emescam

Deixe uma resposta