Arquivo da tag: mulher

Quando parar de fazer mamografia

Chega uma época na vida da pessoa em que os exames de rotina precisam ser repensados. Assim como muitos idosos não vêm benefício em adotar um estilo de vida mais saudável (por exemplo comendo mais salada), a rotina de mamografia precisa ser rediscutida com a pessoa quando ela atinge os 70 anos de idade.

O documento da Femama que citei há duas semanas não aborda a questão de quando (ou se) parar de fazer mamografia a partir de alguma idade; e o Inca não faz recomendações para as mulheres com 70 anos ou mais de idade.

Não existem dúvidas de que a mamografia continua sendo efetiva na detecção precoce do câncer de mama depois dos 70 anos. Na verdade, quando mais idosa a mulher, melhor a mamografia, pois fica mais fácil identificar calcificações anormais e pequenos nódulos. O problema é que, depois de uma certa idade, aumenta muito a chance do exame detectar um câncer que não traria qualquer consequência para a mulher.

Continue lendo

Mamografia pode ser feita a cada 2 anos

No artigo em que discuti os prós e os contras da mamografia a partir dos 40 anos de idade, falei o tempo todo em mamografia anual. De fato, tudo indica que nessa faixa etária a mamografia anual seja melhor que a bianual. Mas, no que diz respeito às mulheres com 50 anos de idade ou mais, a frequência ideal é alvo de uma nova discussão. O Inca recomenda mamografia a cada 2 anos, enquanto a Femama divulga que toda mulher deve fazer o exame anualmente.

Um estudo (em inglês) encomendado pela Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos Estados Unidos reuniu uma série de pesquisas feitas até hoje, e chegou à conclusão de que fazer mamografia de 2 em 2 anos traz entre 67% e 99% do benefício de se fazer todo ano. Os riscos da mamografia, por outro lado, são proporcionais ao número de exames realizados, e não são nada desprezíveis.

Continue lendo

Mamografia aos 40 anos é controversa

Chegamos ao fim de mais um Outubro Rosa: vários monumentos públicos foram iluminados, e os meios de comunicação deram mais espaço para o combate ao câncer de mama. Este é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres (depois o câncer de pele não-melanoma), e está entre as 15 doenças que mais comprometem a saúde da mulher brasileira. A mamografia é o melhor exame para a detecção precoce, mas ainda existem controvérsias sobre quais mulheres devem fazê-lo, e com que frequência. Por isso, o Doutor Leonardo vai publicar uma série de quatro artigos sobre dúvidas no rastreamento do câncer de mama, expondo os prós e os contras de cada opção.

Mama sendo comprimida para obter imagem mamográfica ótima.

© Governo federal dos Estados Unidos da América (domínio público)

A maior polêmica, no Brasil e no resto do mundo, é se as mulheres com 40 a 49 anos de idade devem ou não ser submetidas ao exame. A Femama recomenda que todas as mulheres nessa faixa etária façam mamografia anualmente. O Inca, por outro lado, recomenda que a mulher só realize mamografia de rotina a partir dos 50 anos de idade, a não ser que tenha fatores de risco adicionais.

Continue lendo

Uma retrato do aborto no Brasil

Esse ano foi realizada a primeira Pesquisa Nacional de Aborto, abrangendo 2002 mulheres de todo o território nacional. A pesquisa consistiu num inquérito domiciliar, semelhante aos realizados pelo IBGE, mas usando uma técnica com urna para garantir a sinceridade da entrevistada. Os primeiros resultados foram publicados em junho na revista científica Ciência & Saúde Coletiva.

Feto saudével extraído de uma mulher que tinha colo do útero.

© Suparna Sinha (CC-BY-SA-2.0)

A informação que mais chama a atenção é que, ao completarem 40 anos de idade, mais de um quinto das mulheres brasileiras já induziram pelo menos um aborto. A proporção foi maior entre mulheres com menor escolaridade, mas não houve muita diferença entre religiões.

Continue lendo

As 10 principais doenças da mulher brasileira (corrigido)

Atualização (2015): “As 10 piores doenças no Brasil.”

Depois de ter listado as 10 principais doenças do homem brasileiro, eu não poderia deixar de contemplar também as mulheres com um artigo semelhante. Até porque as mulheres procuram os serviços de saúde com mais frequência, além de estarem em contato mais direto com os agentes comunitários de saúde.

Os números entre parênteses são a proporção da carga de doença da mulher brasileira atribuída a cada doença.

Continue lendo

Filme alemão aborda depressão pós-parto

Eu não sei você, mas eu estava sentindo falta de um pouco mais de variedade no cinema. Em qualquer sala que você frequente, os filmes são praticamente os mesmos. Aqui em Vitória, o único que inovava era o Cine Metrópolis, da UFES, mas agora descobri o Cine Jardins, no bairro Jardim da Penha. E o primeiro filme a que assisti lá foi O Estranho em Mim, um drama sobre a depressão pós-parto. Filmado em 2008 na Alemanha, o filme venceu a Competição de Novos Diretores da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo naquele mesmo ano. (Trailer disponível em alemão ou com legendas em inglês; bonito de se ver mesmo para quem só sabe português.)

Mãe de frente ao espelho, contemplando a si mesma carregando o bebê

O filme tem aquele ritmo cadenciado que se convencionou chamar de cinema de arte. A primeira parte, que vai até o diagnóstico da depressão, não dura muito mais que meia hora. Em vez do filme atingir seu clímax e encerrar poucos minutos depois, começa a segunda parte, sobre o processo de tratamento. Além de se recuperar da depressão, a personagem precisa reconstruir a relação com seu filho e seu marido.

Continue lendo

Chocolate amargo pode prevenir insuficiência cardíaca

Pesquisadores suecos acompanharam quase 32 mil mulheres (com 48 a 83 anos de idade) durante 9 anos, recolhendo uma série de informações sobre seu estilo de vida e sobre sua saúde, e observaram que as mulheres que comiam chocolate tinham uma taxa de internação ou morte por insuficiência cardíaca 26% menor que a das mulheres que nunca consumiam o alimento. No início do estudo, nenhuma mulher tinha diabetes mellitus ou antecedente de insuficiência cardíaca ou infarto cardíaco. O efeito só apareceu para as mulheres que comiam chocolate com uma frequência entre 1 vez ao mês e 2 vezes por semana; comer chocolate 3 vezes ou mais por semana era tão ruim quanto não comer nem um pouco de chocolate. (Fonte: Medicina de Família.)

Continue lendo

Diane 35 não é anticoncepcional

Muita gente não sabe, mas (ao menos no Brasil) a combinação de etinilestradiol 0,035mg e acetato de ciproterona 2 mg não é registrada como anticoncepcional. Basta ler as indicações na bula do Diane 35:

Para o tratamento de distúrbios andrógeno-dependentes na mulher, tais como a acne, principalmente nas formas pronunciadas e naquelas acompanhadas de seborreia, inflamações ou formações de nódulos (acne papulopustulosa, acne nodulocística); alopecia androgênica; casos leves de hirsutismo; síndrome de ovários policísticos (SOP).

(Leia também: Como acabar com as espinhas.)

Continue lendo

Conheça os benefícios do aleitamento materno para a saúde da mãe

Confesso que cheguei meio desavisado à Semana Mundial do Aleitamento Materno. Mas é impossível passar batido por um assunto tão importante, quando se tem companheiros como o Blog do Pediatra em Casa (Começa hoje a Semana Mundial de Aleitamento Materno) ou o Aprendendo a Vida (Senado aprova licença maternidade de seis meses).

Os Cadernos de Saúde Pública de 3 de agosto de 2008 publicaram uma ampla revisão da literatura sobre o assunto, realizada por pesquisadoras do Instituto de Saúde. Acredito que todo o mundo conheça algum benefício do aleitamento materno para a saúde da criança, então hoje trago para vocês os benefícios da amamentação para a saúde da própria mãe.

Continue lendo

Filhos de lésbicas têm desenvolvimento psicológico normal

Agora que a Argentina reconheceu a união entre pessoas do mesmo sexo, muitas pessoas estão questionando quando o Brasil seguirá o exemplo. No meio tempo, os casais homossexuais daqui vão colecionando outros direitos, como o de incluir o companheiro como dependente no plano de saúde e no Imposto de Renda. Além disso, os homossexuais também podem adotar crianças, porque a lei brasileira é explícita quanto à irrelevância do estado civil (ser ou não casado), e a Constituição Federal proíbe a discriminação da pessoa em função de sua orientação sexual.

As pesquisadoras Gartrell e Bos destacam que a homossexualidade deixou de ser considerada doença há mais de 30 anos, mas ainda existe quem questione a legitimidade da criação de um filho (adotivo ou biológico) num lar homossexual. Já foram realizados vários estudos, que não encontraram influência alguma da orientação sexual dos pais no ajustamento psicológico dos filhos. A maioria desses estudos avaliou as famílias pontualmente, sem acompanhá-las ao longo do tempo. Isso traz algumas limitações, e é para responder a elas que as pesquisadoras começaram a acompanhar, em meados da década de 80, lésbicas grávidas ou planejando gravidez por inseminação artificial. O estudo científico publicado recentemente no periódico Pediatrics relata que hoje em dias esses filhos têm 16 a 18 anos de idade, e seu ajustamento psicológico é ainda melhor que a média.

Continue lendo