Crônicas da medicina de família

Acompanho os Causos clínicos desde seu início, há pouco mais de um ano. Trata-se de uma obra coletiva de médicos de família e comunidade brasileiros, revelando seu olhar sobre o encontro com as pessoas de quem eles cuidam. Mais do que medicamentos ou exames laboratoriais, sua matéria-prima são histórias de vida. Talvez sua melhor definição seja a conclusão de um dos primeiros “causos”: a atenção primária é uma cadeira na primeira fila para o espetáculo da vida.

Continue lendo

Considerações sobre a minuta da Política Nacional de Atenção Básica

Está no forno a nova Política Nacional de Atenção Básica — PNAB, para os íntimos. Depois de ter sido discutida em outras instâncias, a minuta da PNAB passou pela Comissão Intergestores Tripartite (CIT, que articula secretários municipais e estaduais a Ministério da saúde), que abriu uma consulta pública.

Revisão da PNAB aberta à Consulta Pública até o dia 6 de agosto

Conselho Nacional de Saúde/Divulgação

Quando a versão anterior foi lançada, em 2011, esperei a publicação oficial da PNAB para comentá-la em uma revista científica e aqui no Doutor Leonardo. Desta vez, vou colocar o carro na frente dos bois, e comentar logo por aqui. Outra diferença é que, em vez de comentar a PNAB como um todo, detenho-me apenas em alguns pontos que me chamaram a atenção.

Continue lendo

A relação reversa entre atividade física e demência

A falta de atividade física é um dos principais fatores de risco para a saúde no Brasil, assim como no resto do mundo. A importância da atividade física é devida principalmente a sua relação com doenças cardiovasculares e câncer; sua relação com a demência é mais controvérsia. Estudos observacionais indicam que as pessoas com baixos níveis de atividade física têm maior risco de receberem o diagnóstico de demência nos anos seguintes; mas estudos de intervenção não têm comprovado o suposto efeito protetor da atividade física sobre a demência.

A revista The BMJ publicou recentemente um estudo europeu sobre a relação entre demência e atividade física, com base na coorte Whitehall II. Essa coorte é uma pesquisa que incluiu mais de 10 mil servidores públicos britânicos com 35 a 55 anos de idade na década de 80, e os tem acompanhado desde então. Ao longo de um acompanhamento que durou em média 27 anos, essas pessoas foram avaliadas várias vezes com relação ao nível de atividade física e ao funcionamento da mente, entre outras características relevantes. O diagnóstico de demência foi obtido a partir do sistema de saúde público da Inglaterra, que é usado até por quem tem plano de saúde para o tratamento de problemas de saúde clínicos e/ou crônicos.

Continue lendo

Vantagens e desvantagens de medir a pressão em casa

O que é mais confiável: você mesmo medir a pressão em casa, ou o médico medir sua pressão no consultório?

Os aparelhos de pressão digitais, que se usa para medir a pressão em casa, precisam ter a calibração verificada com frequência. Além disso, nem todo o mundo sabe como medir a pressão em casa. Mas, quando as pessoas são ensinadas a medir corretamente a pressão em casa, e têm acesso a aparelhos de pressão calibrados, a medida residencial da pressão arterial é mais confiável do que a medida no consultório.

Woman with Blood pressure monitor

O motivo disso é que a pressão arterial está sempre mudando, de uma hora para outra, de um dia para outro. Por isso, é importante medir a pressão em ocasiões diferentes para saber como ela realmente está. Aí está a vantagem de medir a pressão em casa: a facilidade de medir a pressão em ocasiões diferentes.

Continue lendo

Por que medicina de família?

Estive conversando com uma pessoa de fora da área da saúde, e ela quis saber o que me motivou a ser médico de família e comunidade. Achei que a resposta poderia interessar aos leitores:

A medicina de família e comunidade é uma especialidade que alia o desafio técnico de uma prática abrangente com a oportunidade de um relacionamento com as pessoas para um pouco além de suas doenças. Dessa forma, a medicina de família e comunidade é um grande estímulo tanto para a cabeça quanto para o coração.

Continue lendo

Andar a pé ou de bicicleta evita câncer, infarto e derrame

Há muito tempo se sabe que atividade física faz bem para a saúde, e a falta de atividade física é um dos 10 principais fatores de risco para a nossa saúde. Uma forma de resolver isso é através de exercício físico (atividade física planejada), mas na prática pouca gente tem tempo. Outra forma é incorporar a atividade física no dia-a-dia, como no deslocamento para o trabalho.

Em um estudo recém publicado pela revista The BMJ, pesquisadores da Escócia analisaram dados sobre morte e internação hospitalar para mais de 250 mil pessoas que trabalhavam fora de casa, participantes de uma pesquisa com base populacional. Essas pessoas eram homens e mulheres com 40 a 69 anos de idade, e num dia típico 5,4% iam a pé para o trabalho, 2,5% iam de bicicleta, e 13,7% misturavam algum desses meios de transporte ativo com algum meio passivo, como dirigir carro.

Gráfico de floresta para a associação entre a forma de deslocamento para o trabalho e o risco de morte ou internação por doenças cardiovasculares, por câncer, ou (morte) por qualquer causa.

© 2017 Carlos A Celis-Morales, Donald M Lyall, Paul Welsh, Jana Anderson, Lewis Steell, Yibing Guo, Reno Maldonado, Daniel F Mackay, Jill P Pell, Naveed Sattar, Jason M R Gill. CC BY 4.0.

Continue lendo

Vila Velha dispensa laudo médico para vacinar idosos contra febre amarela

De acordo com o portal de notícias G1, o município de Vila Velha decidiu que idosos sem laudo médico poderão ser vacinados contra a febre amarela. A médica Márcia Andriolo, assessora especial do secretário municipal de saúde, teria informado que o procedimento atendia às normas do Programa Nacional de Imunização (PNI). Antes de serem vacinados, idosos sem laudo precisariam responder a uma série de questões, e caso não apresentem contra-indicações absolutas nem outras contraindicações relativas (além da idade, que é uma relativa), poderiam receber a vacina desde que concordassem com o risco de eventos adversos graves.

Continue lendo

Viciado em gomas de nicotina

Possivelmente depois de ter lido meu artigo sobre como usar adesivos de nicotina para parar de fumar, um leitor me perguntou:

Larguei de fumar faz 17 anos, mas viciei nas gomas de [nicotina]. Não consigo abandonar. O que devo fazer?

Como vocês sabem, não dá para fazer consulta médica através de blog ou e-mail. Por isso mesmo, minha resposta pode interessar a todos os leitores:

Continue lendo

A febre amarela chegou a Vitória

Depois de meses de preocupação constante, a febre amarela parece ter chegado ao município de Vitória. A análise de um macaco encontrado morto na Ilha do Frade confirmou que ele estava contaminado pela doença, indicando haver circulação do vírus no município. A Secretaria Estadual de Saúde está tomando as providências cabíveis, que incluem uma campanha de vacinação aos sábados a partir do dia 4 de março. Já a Secretaria Municipal de Saúde de Vitória se adiantou, e realiza mutirão de vacinação contra a febre amarela no sábado (25 de fevereiro) e quarta-feira (1º de março) de Carnaval.

Esclera amarelada em ambos os olhos

A febre amarela tem esse nome por causa da icterícia, que deposita pigmentos amarelos nas mucosas e na pele. Crédito: CDC/ Dr. Thomas F. Sellers; Emory University. Domínio público.

Continue lendo

Adoçantes não parecem ser a solução para a obesidade

Refrigerantes e sucos industrializados são bebidas altamente processadas, e via de regra contêm altas doses de açúcares. Uma lata de 350mL dessas bebidas já atinge ou supera a quantidade máxima de açúcar adicionado recomendada para um adulto em um dia inteiro. Uma resposta da indústria alimentícia são as bebidas adoçadas artificialmente, que praticamente não contêm calorias, e assim deveriam ajudar a evitar a obesidade.

Pesquisadores do Brasil, Reino Unido e Estados Unidos publicaram nesta terça-feira, na revista científica PLoS Medicine, um artigo analisando a efetividade das bebidas adoçadas artificialmente no combate à obesidade. Como os próprios autores resumem,

… a evidência disponível não dá suporte direto ao papel das bebidas adoçadas artificialmente na indução do ganho de peso ou em anormalidades metabólicas, mas também não demonstra consistentemente que essas bebidas sejam efetivas na perda de peso ou na prevenção de anormalidades metabólicas. A evidência do impacto dessas bebidas na saúde das crianças é ainda mais limitada e inconclusiva do que nos adultos.

Continue lendo