Como prevenir a artrite (osteoartrose)

Quando as pessoas falam em artrite ou reumatismo, em geral estão pensando na doença que os médicos conhecem como osteoartrose (também chamada de osteoartrite). Não confundir com osteoporose ou artrite reumatoide! A osteoartrose é uma das doenças mais importantes da terceira idade, tanto pela frequência quanto pela dependência que pode trazer. Apesar de ser mais comum após os 50 anos, a artrite não faz parte do envelhecimento saudável. Assim como a hipertensão, a diabetes e outras doenças incuráveis, a osteoartrose deve ser bem controlada para que não traga consequências, mas além disso pode ser evitada ou ter seu aparecimento adiado. Confira as cinco recomendações abaixo:

  • Emagrecer. O sobrepeso e a obesidade estão associadas entre as mulheres à osteoartrose de joelho, e em menor grau à de quadril. As chances de uma mulher ter osteoartrose de joelho aumentam em 60% para cada 5 kg de peso a mais. Além disso, as mulheres que perdem 5 kg de peso reduzem em 50% seu risco de desenvolver osteoartrose de joelho.
  • Comer bastante frutas, verduras e legumes. A Organização Mundial da Saúde recomenda que as pessoas comam ao menos 400g desses alimentos por dia, e numa série de estudos observou-se que a quantidade ótima era a partir de 600g por dia. No caso da osteoartrose, uma alimentação rica em vitamina C ou D diminui em três vezes o surgimento e/ou a piora da osteoartrose.
  • Praticar atividade física. A fraqueza do quadríceps, músculo que fica na frente da coxa, está associada ao desenvolvimento de osteoartrose no joelho.
  • Ser cauteloso com esportes de impacto. O futebol, o basquete e o futebol americano são exemplos de esportes que podem levar à osteoartrose. Acredita-se que o risco possa ser minimizado através do treinamento adequado e, no caso de uma lesão, através da completa recuperação da junta envolvida antes do retorno ao esporte.
  • Evitar certos tipos de trabalho. Mulheres que trabalham com movimento de pinça (pegar algo com o indicador e o polegar) têm mais osteoartrose de mãos, e pessoas que precisam agachar e levantar peso têm mais osteoartrose de quadril e joelho.

Essas recomendações foram feitas com base numa revisão da literatura realizada pelo National Institute of Health dos Estados Unidos. Também fiz minha própria pesquisa, mas não encontrei qualquer publicação mais recente que acrescentasse alguma informação relevante.

Curiosamente, boa parte dos estudos citados foram realizados na cidade americana de Framingham, mais conhecida entre os médicos pela Escala de Risco de Framingham, capaz de prever o risco de infarto nos próximos 10 anos. Na verdade, vários fatores de risco cardiovasculares também se aplicam à osteoartrose, e vice-versa.

A única restrição a essas recomendações é que elas nunca foram testadas na prática. A fraqueza muscular, por exemplo, está associada à osteoartrose, mas nenhuma intervenção de fortalecimento da coxa foi feita para avaliar a prevenção da osteoartrose (embora existam estudos mostrando a melhora da dor de quem já tem a doença). Da mesma forma, observou-se que quem emagrecia diminuía o risco de osteoartrose, mas nenhuma pesquisa estudou se programas de auxílio ao emagrecimento efetivamente previnem a osteoartrose.

Como eu sempre digo, a gente trabalha com o que tem. Administradores públicos ou de planos de saúde podem preferir que o dinheiro seja investido em intervenções comprovadamente efetivas, mas as evidências são suficientemente fortes para as pessoas pensarem carinhosamente em praticar as recomendações acima. Até porque ter um peso normal, fazer atividade física e comer frutas, verduras e legumes são recomendações importantes para qualquer pessoa. (Leia também: Conheça os 10 maiores fatores de risco para a saúde da mulher.)

Divulgue para seus amigos:

Leia também: