Descobridor do PSA critica seu uso no câncer de próstata

Richard Ablin, cientista que descobriu o PSA em 1970, classificou recentemente seu uso sistemático como um desastre de saúde pública. O exame só é capaz de detectar 3,8% dos casos de câncer de próstata, e não é capaz de diferenciar o câncer de uma série de outras doenças benignas. Aliás, o próprio câncer de próstata é pouco agressivo, e em 80% dos casos a pessoa acaba morrendo de outra coisa primeiro.

A utilidade do PSA na prevenção das mortes por câncer de próstata foi testada em dois estudos recentes, com resultados desanimadores. Em um dos estudos, o exame de rotina simplesmente não alterou a mortalidade, nem um pouquinho. No outro estudo, foi necessário examinar 1410 pessoas e diagnosticar e tratar 48 casos para cada vida salva. Levando em consideração que o tratamento do câncer de próstata causa impotência sexual (disfunção erétil) e incontinência urinária (a pessoa não consegue segurar a urina), o tratamento continua deixando muito a desejar.

No meu trabalho, tanto pacientes quanto colegas estranham que eu não peça o PSA como um exame de rotina (na hora H, ninguém pede o toque). Realmente muitos médicos têm a rotina de realizar o toque e/ou pedir o PSA, especialmente os urologistas, e as pessoas parecem ter aceitado isso como um fato da vida. Então, para não parecer que tirei isso tudo da minha cabeça, cito aqui o Instituto Nacional de Câncer (INCA):

[…] não existem evidências de que o rastreamento para o câncer da próstata identifique indivíduos que necessitam de tratamento ou de que esta prática reduza a mortalidade do câncer de próstata. Desta forma, o Instituto Nacional de Câncer não recomenda o rastreamento para o câncer da próstata […]

5 ideias sobre “Descobridor do PSA critica seu uso no câncer de próstata

  1. Camila

    Olá,
    achei muito interessante e surpreendente esse post do seu blog.
    Gostaria de saber então, qual a melhor forma de fazer o diagnóstico precoce do Cancer de próstata? O que você recomenda? Na prática como neurologista, recebemos doentes com síndromes medulares compressivas, cujo diagnóstico final é metástase por neoplasia prostática. Será que mesmo com a baixa eficácia no tratamento, e suas complicações, se houvessemos diagnosticado precocemente e insituído um tratamento, teríamos como evitar uma disseminação tão incapacitante como esta?

    Aguardo sua resposta,
    Abraços,
    Dra. Camila Catherine.

    Responder
    1. Leonardo Fontenelle Autor do post

      Pelo que se sabe hoje em dia, é como diagnosticar precocemente o câncer de pâncreas ou pulmão. Não dá. Mas imagino que, talvez, se chegue à conclusão de que para certos grupos valha a pena definir pontos de corte mais rígidos, como por exemplo PSA de 1,00. Vamos ver no que dá.

      Um abraço, Amiga!

      Responder
  2. Pingback: Nem sempre é melhor prevenir do que remediar | Doutor Leonardo

  3. Pingback: As 10 principais doenças do homem no Brasil | Doutor Leonardo

  4. Pingback: A visão de um médico de família sobre o rastreamento do câncer de próstata | Doutor Leonardo

Deixe uma resposta