Condroitina e glicosamina não funcionam na osteoartrose de joelho e quadril

A osteoartrose, popularmente conhecida como artrite ou reumatismo, é uma das doenças que mais prejudicam a saúde dos idosos no Brasil, e afeta tanto homens quanto mulheres. Não existe cura para a osteoartrose, e os únicos medicamentos com eficácia completamente comprovada são os analgésicos (como o paracetamol) e anti-inflamatórios (como o ibuprofeno e tantos outros), que são apenas paliativos. Glicosamina (glucosamina) e condroitina são dois dos medicamentos mais populares para a osteoartrose, devido à promessa de restabelecer a saúde da cartilagem degenerada, mas um estudo recente aumentou em muito o ceticismo dos médicos com relação a esse remédio.

Pesquisadores da Universidade de Berna, na Suíça, coletaram todas as pesquisas clínicas de qualidade realizadas com condroitina, glicosamina ou ambas, e analisaram seus resultados em conjunto para avaliar se havia algum efeito sobre a dor ou sobre as alterações radiográficas. O artigo, publicado esse ano no British Medical Journal, relatou que nenhum dos medicamentos, isolados ou em conjunto, é capaz de trazer algum benefício significativo para os pacientes.

Não é a primeira vez que pesquisadores revisam estudos clínicos com condroitina e glicosamina. Mas esse estudo se destaca mesmo assim. Só foram incluídos na revisão estudos clínicos de boa qualidade e com um número suficientemente grande de pacientes (estudos pequenos tendem a superestimar os efeitos do tratamento). Todas as etapas da revisão foram feitas por dois pesquisadores, para evitar vieses pessoais. E a análise estatística é uma das mais sofisticadas que eu já li.

A glicosamina (principalmente na forma de sulfato de glicosamina) e sua combinação com a condroitina até que se mostraram melhores que o placebo, mas com algumas limitações sérias. Primeiro, o efeito foi tão pequeno que não tem significado prático. Segundo, e mais importante, o resultado da pesquisa clínica depende de quem patrocinou a pesquisa. As pesquisas patrocinadas pelos próprios fabricantes mostraram algum efeito (mesmo que sem significado prático), ao passo que os estudos independentes não mostraram efeito algum.

Não é novidade que o patrocínio do estudo possa interferir em seu resultado. Já discuti o assunto no meu artigo sobre a rosuvastatina (Crestor). Lá indiquei inclusive a leitura do artigo Estudos patrocinados pelos laboratórios têm viés de achados positivos, do médico de família e comunidade Leonardo Savassi.

Lendo os comentários enviados ao British Medical Journal, achei divertido ver como muitas pessoas defenderam a condroitina e a glicosamina com unhas e dentes, cada uma com um argumento diferente. Um argumento que achei interessante foi que os trabalhos com hidrocloreto de glicosamina deveriam ter sido descartados; somente os trabalhos com a forma de sulfato de glicosamina deveriam ter sido considerados, já que essa forma é mais recomendada. De fato, analisando separadamente as duas formas, o sulfato de glicosamina parece melhor que o placebo, ainda que com um efeito considerado discreto demais; o hidrocloreto não tem efeito algum.

Outro argumento é os autores da revisão de literatura teriam adotado um ponto de corte muito alto para considerar o efeito sobre a dor como clinicamente significativo. De fato, nem os analgésicos e anti-inflamatórios satisfariam aquele critério de eficácia. Adotando um ponto de corte mais conservador, o sulfato de glicosamina talvez até pudesse ser considerado como efetivo. Mas aí volto a lembrar da análise por patrocinador… Nos estudos independentes, tanto condroitina quanto glicosamina não mostraram efeito algum.

Depois de praticamente jogarem uma pá de cal sobre o suposto efeito terapêutico de condroitina e glicosamina, os pesquisadores da Universidade de Berna levantaram a possibilidade de que novos estudos, feitos com pacientes diferentes, encontrem algum efeito. É que os estudos analisados tinham pacientes com alterações radiográficas graves, e manifestações clínicas moderadas. Para esses pacientes, está praticamente comprovado que os medicamentos não funcionam. Mas, e para os outros?

Agora está sendo realizada uma nova pesquisa clínica de condroitina e glicosamina, e seus pacientes teriam alterações radiográficas moderadas e manifestações clínicas mais significativas. Essa pesquisa seria independente, ou seja, não estaria sendo patrocinada por fabricantes dos medicamentos. Os primeiros resultados só deverão estar disponíveis a partir do final do ano que vem.

Enquanto isso, que tal saber como se prevenir da osteoartrose?

Divulgue para seus amigos:

Leia também: