Condroitina e glicosamina não funcionam na osteoartrose de joelho e quadril

A osteoartrose, popularmente conhecida como artrite ou reumatismo, é uma das doenças que mais prejudicam a saúde dos idosos no Brasil, e afeta tanto homens quanto mulheres. Não existe cura para a osteoartrose, e os únicos medicamentos com eficácia completamente comprovada são os analgésicos (como o paracetamol) e anti-inflamatórios (como o ibuprofeno e tantos outros), que são apenas paliativos. Glicosamina (glucosamina) e condroitina são dois dos medicamentos mais populares para a osteoartrose, devido à promessa de restabelecer a saúde da cartilagem degenerada, mas um estudo recente aumentou em muito o ceticismo dos médicos com relação a esse remédio.

Pesquisadores da Universidade de Berna, na Suíça, coletaram todas as pesquisas clínicas de qualidade realizadas com condroitina, glicosamina ou ambas, e analisaram seus resultados em conjunto para avaliar se havia algum efeito sobre a dor ou sobre as alterações radiográficas. O artigo, publicado esse ano no British Medical Journal, relatou que nenhum dos medicamentos, isolados ou em conjunto, é capaz de trazer algum benefício significativo para os pacientes.

Não é a primeira vez que pesquisadores revisam estudos clínicos com condroitina e glicosamina. Mas esse estudo se destaca mesmo assim. Só foram incluídos na revisão estudos clínicos de boa qualidade e com um número suficientemente grande de pacientes (estudos pequenos tendem a superestimar os efeitos do tratamento). Todas as etapas da revisão foram feitas por dois pesquisadores, para evitar vieses pessoais. E a análise estatística é uma das mais sofisticadas que eu já li.

A glicosamina (principalmente na forma de sulfato de glicosamina) e sua combinação com a condroitina até que se mostraram melhores que o placebo, mas com algumas limitações sérias. Primeiro, o efeito foi tão pequeno que não tem significado prático. Segundo, e mais importante, o resultado da pesquisa clínica depende de quem patrocinou a pesquisa. As pesquisas patrocinadas pelos próprios fabricantes mostraram algum efeito (mesmo que sem significado prático), ao passo que os estudos independentes não mostraram efeito algum.

Não é novidade que o patrocínio do estudo possa interferir em seu resultado. Já discuti o assunto no meu artigo sobre a rosuvastatina (Crestor). Lá indiquei inclusive a leitura do artigo Estudos patrocinados pelos laboratórios têm viés de achados positivos, do médico de família e comunidade Leonardo Savassi.

Lendo os comentários enviados ao British Medical Journal, achei divertido ver como muitas pessoas defenderam a condroitina e a glicosamina com unhas e dentes, cada uma com um argumento diferente. Um argumento que achei interessante foi que os trabalhos com hidrocloreto de glicosamina deveriam ter sido descartados; somente os trabalhos com a forma de sulfato de glicosamina deveriam ter sido considerados, já que essa forma é mais recomendada. De fato, analisando separadamente as duas formas, o sulfato de glicosamina parece melhor que o placebo, ainda que com um efeito considerado discreto demais; o hidrocloreto não tem efeito algum.

Outro argumento é os autores da revisão de literatura teriam adotado um ponto de corte muito alto para considerar o efeito sobre a dor como clinicamente significativo. De fato, nem os analgésicos e anti-inflamatórios satisfariam aquele critério de eficácia. Adotando um ponto de corte mais conservador, o sulfato de glicosamina talvez até pudesse ser considerado como efetivo. Mas aí volto a lembrar da análise por patrocinador… Nos estudos independentes, tanto condroitina quanto glicosamina não mostraram efeito algum.

Depois de praticamente jogarem uma pá de cal sobre o suposto efeito terapêutico de condroitina e glicosamina, os pesquisadores da Universidade de Berna levantaram a possibilidade de que novos estudos, feitos com pacientes diferentes, encontrem algum efeito. É que os estudos analisados tinham pacientes com alterações radiográficas graves, e manifestações clínicas moderadas. Para esses pacientes, está praticamente comprovado que os medicamentos não funcionam. Mas, e para os outros?

Agora está sendo realizada uma nova pesquisa clínica de condroitina e glicosamina, e seus pacientes teriam alterações radiográficas moderadas e manifestações clínicas mais significativas. Essa pesquisa seria independente, ou seja, não estaria sendo patrocinada por fabricantes dos medicamentos. Os primeiros resultados só deverão estar disponíveis a partir do final do ano que vem.

Enquanto isso, que tal saber como se prevenir da osteoartrose?

Atualização: Atendendo a pedidos, trago o resultado daquele estudo que estava para sair. Os autores concluíram que a combinação de condroitina e glicosamina melhorou um aspecto da radiografia do joelho (a altura do espaço articular), mas nem condroitina, nem glicosamina, nem a cominação das duas diminuiu a dor.

Atualização 2: Apesar do pedido de um leitor, não tenho planos de comentar a eficácia de condroitina e glicosamina injetáveis. Prefiro escrever sobre tratamentos que a pessoa possa providenciar sem uma solicitação médica, como é o caso dos sachês ou cápsulas de condroitina e glicosamina.

66 ideias sobre “Condroitina e glicosamina não funcionam na osteoartrose de joelho e quadril

  1. Denise Carceroni

    Oi Dr. Leonardo,

    Lerei este artigo com cuidado, a informação chegou em boa hora, sou Profissional de Educação Física e tenho um blog sobre Atividade Física e Saúde. Um dos posts mais comentados do meu blog é Condromalácia e Exercício. Geralmente são pessoas desesperadas porque sentem dor, já iniciaram o tratamento e não vêem resultado, muitas relatam o uso de medicamentos a base de condroitina e glicosamina sem sucesso. Bem dizia meu professor de biomecânica, uma vez lesionada a cartilagem, só na outra encarnação!

    Contudo ficam algumas percepções:
    Apesar de parecer bem claro, para mim, o tratamento recomendado (medicamentos -agora com ressalvas- fisioterapia e fortalecimento muscular – cirurgia em último caso). Na maioria das vezes as pessoas chegam até meu blog porque passaram por mais de um médico e tiveram recomendações bem diferentes, há divergência, ficam na dúvida e tentam encontrar informações para saber que rumo tomar. Não deveria haver mais consenso?

    Há pressa por parte das pessoas em obter resultado e voltar as atividades normais. Muita gente relata que faz tratamento há “3 meses” achando que é muito tempo. Há muita gente querendo saber se poderá voltar a correr ou fazer aulas de jump e perguntando em quanto tempo isso irá ocorrer. Me pergunto se na consulta o médico não deixa claro que é um processo degenerativo, que não tem cura (não mata, mas maltrata!), que depende de muitos fatores para que o tratamento tenha sucesso e que os principais são paciência e dedicação.

    E agora um questionamento:
    Já ouvi alguns relatos de pessoas que usaram medicamentos a base de condroitina e glicosamina e ficaram muito satisfeitas com o resultado. Poderia haver alguma predisposição genética para isso? Será que o bom resultado foi devido à medicação ou à todo o restante do tratamento? Esse resultado positivo poderia ter ligação com o limiar de dor?

    Não conhecia seu espaço, passarei aqui com mais calma para dar uma olhada no restante.

    Um abraço

    Denise Carceroni

    Responder
    1. Leonardo Fontenelle Autor do post

      Denise, até agora nos estudos com condroitina e glicosamina o aspecto mais importante que determina o sucesso do tratamento é se o estudo foi ou não patrocinado pelo fabricante. É claro que muitos pacientes melhoram com o medicamento, mas isso não significa necessariamente que isso seja mérito do medicamento. A dor é fortemente influenciada pela mente, o simples fato de você confiar no medicamento (e no profissional) faz muita diferença.

      O motivo da discordância entre profissionais sobre o tratamento da osteoartrose é muito simples. Os tratamentos disponíveis são mal estudados, e muitas vezes os resultados dos estudos são conflitantes. É uma pena que uma doença tão importante não tenha um tratamento comprovadamente eficaz.

      Fico feliz que você tenha gostado, espero receber ainda muitos comentários seus!

      Responder
      1. Rafael Leal

        Caro Leonardo, boa noite ! Sou Rafael, colega seu ortopedista, especialista em cirurgia de quadril. Não tenho uma opinião precisa sobre o uso de condroprotetores, uma vez que vejo pacientes melhorarem e piorarem com o tratamento. Só discordo de vc com relação ao que vc escreveu para Denise, educadora física: osteoartrose não tem tratamento CLÍNICO eficaz, porque as artroplastias, sejam de joelho ou de quadril, tem excelente resultado ! Abraço

        Responder
        1. Leonardo Fontenelle Autor do post

          Eu só estava explicando que, para várias opções, as evidências científicas não tão convincentes quanto gostaríamos. Até existe ao menos uma opção medicamentosa para quadril e joelho com boa evidência em estudos clínicos, mas ao contrário da glicosamina e da condroitina é um medicamento que exige prescrição médica. Eu prefiro comentar neste blog medicamentos que podem ser adquiridos sem prescrição.

          Além de medicamentos, não podemos nos esquecer da fisioterapia!

          Responder
      2. Edite moura

        Acho um absurdo,como pode enganar os pacientes,tomo o condroflex além de ser caro ,não sinto nenhum tipo de beneficio,me sinto lesada pelo meu ortopedista

        Responder
  2. Pingback: O papel do agente comunitário de saúde no SUS | Doutor Leonardo

  3. Donizeti Manoel

    Caro Dr. Leonardo
    Li seu artigo (comentario) sobre a condrointina e glicosamina e quero acrescentar que para mim, o medicamento atuou de forma impressionante. Há alguns anos foi dectado um quadro de osteoartrose numa radiografia que fiz para localizar calculos renais. Meu medico orientou procurar um profissional da área para indicar um medicamento. Sempre tomei anti-inflamatorios para atenuar minhas dores na região lombar causada por trabalho mais pesado. Assim, numa crise mais intensa, fiz uso do medicamento (após interromper com os anti-inflamotrios). Foi impressionante o resultado! Por uns 2 meses segui tomando o medicamento Artrolive da Aché. Uma vez melhor (sem qualquer dor ou limitação de movimentos), parei com o medicamento, pois, é muito caro! Nunca mais tive crises lombar o na região da bacia… Tenho sim, dores quando abuso de movimentos com o tronco baixado, nessas situações, retorno aos anti-inflamatorios. Pena o Artrolive ser mto caro, em media R$50,00 por 30 capsulas que duram 10 dias. Um grande abraço! Donizeti Manoel R. Correa

    Responder
    1. Hudson

      em relação ao preço, o ARTICO DA EUROFARMA tem o melhor preço entre os concorrentes com essa associação – Condroitina + Glicosamina. Cerca de R$60,00 a R$80,00 mais acessível que o da Achê. A Condroitina age como anti-inflamatório e a Glicosamina reduz a degradação da cartilagem. Excelente medicamento. Lembrando que Artico não tem corante de Tartrazina é em sachê e tem sabor laranja.

      Responder
  4. Diego lisboa

    ola! por um acaso acabei de ler sobre a pesquisa publicada e pensei que talvez o senhor possa me esclarecer duvidas a respeito da condromalacia, pois após muitas dores no joelho E, fui submetido a um exame de RNM o resultado foi o seguinte: condromalacia difusa grau 2 e bursite infrapatelar profunda. O meu medico me disse ser uma simples lesão e que não iria atrapalhar no meu trabalho( militar) e que eu deveria fazer reforço muscular e tomar medicamento a base de glicosamina e condroitina, fico meio perdido não sei mais no que acredito, pois a dor e muito forte e fico triste quando vou ao medico e ele nem se quer preocupa faço tratamento a 1 ano e a dor só piora, na 1º RNM tinha apenas sinais de impacto na cartilagem e após 1 ano condromalacia grau 2, pelos “meus” calculos mais 1 ano e estarei no grau 4 e depois artrose com apenas 23 anos de idade e o medico ainda diz que não tem problema eu correr em retas e andar de bicicleta, por favor me de uma resposta sobre isso se puder me mandar estudos a respeito, grato

    Responder
      1. MARGARETH MENDRONE

        O Sr fala que não pode falar sobre medicamentos,mas mete ficha no sulfato de Glicosamina e Condroitina, será que o Sr já parou pra pensar que muita gente com essa doença(inclusive eu) lê o que o Sr escreve,e ficamos muito desesperados!! O Sr. fala mal do medicamento, mas não fala o que faz bem! Esse blog é pra ajudar ou pra enterrar a gente de vez! Fala logo o que é bom para artrose!!

        Responder
  5. Joelma

    Eu tenho esporao calcaneo nos dois pes a dois anos e recentemente descobri que tenho artrose nos dois joelhos o medico começou o tratamento com condroitina e glicosamina isso pode ajudar no esporao ou e so para artrose

    Responder
  6. Alzira Cerqueira

    Caro Dr. Leonardo,
    Sofre há cerca de 9 anos de uma tendinite crónica e também me tenho visto aflita com a ciática.Os anti-inflamatórios não têm dado nenhuns resultados.
    Uma vizinha sofreu também de uma tendinite e em fisioterapia foi-lhe recomendado que tomasse o Ossin 500. a senhora recuperou completamente o movimento do braço, fazendo 3 tratamentos de 3 meses cada por ano.
    Não quis seguir o exemplo, por não acreditar. Contudo, atingi uma fase de desespero, em que a casa se transformou um objecto de tortura. O ombro produzia estalos ao menor movimento, a dor começou a descer até à mão e a mão incha.
    Há menos de um mês decidi experimentar. Vi que não havia interacções com outros medicamentos (pelo menos conhecidas) e comecei a tomar dois por dia, há mais ou menos 3 semanas.

    O resultado está a deixar-me espantada: a dor na perna (ciática) praticamente desapareceu, os estalos no ombro desapareceram também, e a dor no braço diminuiu imenso, a ponto de me permitir dormir algumas horas (só conseguia dormir um pouco no sofá, apoiando o ombro contra o espaldar).

    Dado que eu não acreditava no efeito, não pode ser uma acção tipo “placebo”. Ou seja, o Ossin 500 está a produzir efeitos que nenhum anti-inflamatório havia conseguido. Vou continuar o tratamento e acho que devia ser feitos mais estudos sobre a acção da condroitina, pois não é verdade que o seu efeito seja negligenciável.

    Responder
  7. Carminda

    Dr.Leonardo
    Será que já sairam os tais novos resultados que refere no final deste seu artigo “Agora está sendo realizada uma nova pesquisa clínica de condroitina e glicosamina, e seus pacientes teriam alterações radiográficas moderadas e manifestações clínicas mais significativas. Essa pesquisa seria independente, ou seja, não estaria sendo patrocinada por fabricantes dos medicamentos. Os primeiros resultados só deverão estar disponíveis a partir do final do ano que vem.”
    Grata pela atenção

    Responder
    1. Maria Begoña

      Após uma semana do medicamento Artico com os componentes glicosamina e condritina. bastante melhora, não conseguia dormir de dor as dores agora estão bem leves..artrose da coluna..

      Responder
  8. vera

    Bom dia Dr. Leonardo
    Estou com 38 anos e apareceu umas dores lombares, fiz uma resonancia e constatou ernia de disco.
    gostaria de saber sobre esses medicamentos se possível.
    glicosamina 1,5 g
    condritina 1,2 g
    colágeno 750 mg
    diacireina 50 mg

    Emfim esta uma formula fora os outros medicamentos como: Lyrica 750 mg
    Estou muito na duvida sobre este medicamento.
    desde já muito obrigado.

    Responder
  9. Flávia

    PrezadoDr.Leonardo , estava navegando pela web em busca de depoimentos sobre o tal artrolive. Cerca de 3 semanas estou tomando o dito medicamento e fui atacada por fortissimas dores em ambas as mãos. Como era o ´único medicamento novo que ingeria, suspendi por 2 dias e, como por encanto as dores sumiram. Creio que tenho alguma sensibilidade aos princípios ativos do medicamento.
    Gostaria de saber sua opinião sobre o artrodar , medicamento que me foi dado em substituição ao artolive. Tomei conhecimento do um outro medicamento, o Protos.
    Agradeceria ouvi-lo a respeito.
    Flávia

    Responder
  10. Euridinea

    Dr Leonardo,
    Gostaria de saber se já foram feitos novos estudos sobre o uso da glicosamina e da condroitina . Fiz uso do Condoflex por +- 2 anos, por ter rompido uma cartilagem e posteriormente o menisco e o resultado foi excelente. Junto com a medicação fiz hidroterapia . Queria saber,pois já estava para usar novamente condroitina e glucosamina para prevenir o avanço das artro….. da vida. Obrigada.

    Responder
  11. Leandro

    Olá.. bela discussão sobre a Glucosamina e Condroitina. Por recomendação do meu ortopedista (prevenção e dor no joelho) estou usando.
    Uma dica: osteo biflex triple strengh comprado nos USA sai bem mais em conta do que comprar Artrolive e semelhantes aqui no BR. No meu caso o meu objetivo ainda nao foi alcançado pois preciso retormar os treinos de corridas e ir além das distancias que eu estava acostumado. Mas percebo melhoras e uma leveza maior nos movimentos que exigem dos joelhos. O contra é que estou tendo uma dor lombar que não tinha antes, e começou na mesma época que comecei o tratamento.

    abs.

    Responder
  12. darci lourdes souza

    Olha pessoal, tbm. tomo condroitina e glucosamina, mas o bom mesmo pr
    dor nos joelhos que é o meu vaso, é a SUCUPIRA,´só com essa eu melhorei.

    Responder
  13. Karin

    Dr. estou com condromalacea grau 2, meu médico me receitou a medicação artico, é a melhor opção ou qual medicamento é o mais indicado?

    Responder
  14. brno

    Caramba fico muito triste em saber que tantas pessoas possuem essa doença degenerativa, e ainda pouco, fora feito nos avanços e estudos sobre o caso, a esperança que fica de acordo com o que eu fiquei sabendo e que esta previsto para o fim de 2014, a liberação de testes usando celulas troncos em tratamento com pessoas que vivem essa dura realidade. Já ouvi dizer que uma mulher fez um teste e deu tudo certo a jovem tinha 55 anos e tinha condromalacia, e apenas com um mês e meio de tratamento a vida dela mudou. No meu caso ja fiz 1 RM e, 2006 que apontou condromalacia grau 3, usei esses remédio de sache, e parei o tratamento e as dores nao pararam, ai apos 4 anos voltei no tratamento e fiz 2 RM que nao deram nada, ai eu meio encredolo resolvi fazer a artroscopia que também indicou cartilagem boa, ms tinha uma plica que foi tirada. O problema e que as dores nunca pararam, tive que aprender a viver com ela e com as limitações. Tenho medo dos resultados terem saido errado, afinal as dores não param e agora vou volta no Medico pra ver tudo de novo..

    Responder
  15. richard fernandes vila

    Dr Leonardo, boa noite
    tenho diabete e fui tomar o condroflex e achei muito doce o artico tb e doce?
    posso usar mesmo sendo diabético?
    obirgado

    Responder
  16. Doutor André

    Atualize o tópico caro colega. Artigos recentes sugerem um bom controle sintomatico com tal medicação (p significativo), mas não influenciam, obviamente, a evolução da doença. Esta deve ser atacada em suas causas, sendo a obesidade a principal. Ah, e sempre que citares ou opinares sobre algo, coloque referências. Tendo em vista se tratar de dominio publico, lhe sugiro que o atualize constantemente, posto que pessoas acessarao as informações.

    Responder
  17. André

    Falar que não resolve nada, que os resultados são quase (zero) é correr na contra mão. Todos sabemos que cartilagem ainda não se reconstituí, salvo avanços de transplantes e com o uso de células tronco que esperamos que isso venha trazer um alívio para tantos pacientes. Agora vejo esta informação do site como no mínimo algo a ser discutido. Senão não melhora, por que médicos receitam? Faltaram as aulas e são ignorantes? Seus anos de experiência na prática em atendimento e em casos cirúrgicos não trouxeram nenhuma posição concreta? Ou são instrumentos (propagandistas gratuitos) de laboratorios e farmácias que vendem um remédio que não cumpre o que promete? Se os remédios citados não resolvem porque ninguém até hoje não provou por estudos no nosso país, afinal aqui há inúmeros bons ortopedistas, ou é de interesse deles com suas clínicas ganharem dinheiro com suas caras consultas e indicações de fisioterapias, indicação para manipulação de remédios, indicação de remédio “x”ou “y” em troca de alguma recompensa em $$? Não quero acreditar que a maioria dos médicos ortopedistas, dos fisioterapeutas e dos profissionais como farmacêuticos hajam de má fé, mas que pouco se sabe sobre doenças como CONDROMALÁCIA PATELAR ou qualquer outra que há desgaste de cartilhagem isso é fato. Nem mesmo a origem da doença é revelada. Muitos alegam “n” coisas mas provar ninguém prova, nem mesmo com exames mais aprofundados (RM ou qualquer outra). Aqui é um desabafo de um pessoa que leio muita coisa, mas vejo poucas coisas sendo feita ou algo realmente eficaz no mercado para aliviar a dor de quem sofre.

    Quanto ao Dr. Leonardo Fontenelle, qual sua especialização? Espero que me entenda, mas falar de algo, é preciso no mínimo CONHECIMENTO e depois experiência. Não que você tenha errado em escrever, até porque nos trouxe este debate, mas apresentar algo ou republicar um texto é de sua responsabilidade, e saiba que tal ato mesmo que num mundo democrático como o mundo virtual (internet) isso pode trazer danos e problemas. Cuidado!

    Responder
  18. Nésia C. Martins

    Estou com a cartilagem dos joelhos desgastadas, meu médico me receitou Artroglico sachê, depois de algumas pesquisas sobre condroitina e glicosamina, estou em dúvida se faço uso deste medicamento, porque ja tomei vários remédios e não resolveu nada, e os remédios são muito caros.

    Responder
  19. Celianita Nunes Laki

    A razão me foi dada por leigos,sôbre a medicação Glicosamina& Condroitina, que receitada por ortopedista me tem feito vomitar. Tomava o similar, nacional, Condorflex, e pensava que o americano, me evitaria êsse desconfôrto…bem, já o tomei, sem ter o que sentí dessa vez, na verdade hoje, e interrompi uma fisio, pelo mal estar com enjôo e vômito. A recomendação agora é de Artrodar..o senhor conhece? Um abraço, e obrigada. Att. Celianita.

    Responder
  20. Ale Mattos

    A todos que postaram aqui:
    Não existe ainda uma solução definitiva para o problema.
    Existe variações de pessoa para pessoa, tanto positivas quanto negativas.

    RECOMENDO que leiam o livro: A Cura da Artrite – Dr. Jason Theodosakis – EUA

    Artigo do Dr. Leonardo é interessante, porém pobre, pois não cita referências mais específicas, fontes, nomes, datas, dados, etc.

    Responder
  21. maria de lourdes r. marques

    adorei a informação por incrível que parece estou com problemas de coluna e me indicaram esses medicamentos, porém mais de uma pessoa que tomou disseram que ficaram praticamente boas mas terei uma nova consulta agora dia 17 de janeiro. Obrigada!!!

    Responder
  22. Suzete Brito

    Tenho 46 anos e tenho artrose nos joelhos desde os 44 anos. Nunca me lesionei nem nunca tive peso a mais . De repente o meu joelho direito começou a ranger 4 meses depois começou a doer e a inchar e em menos de um ano já o joelho esquerdo manisfestava os mesmos sintomas. Não creio que a glucosamina e a condroitina tenham qualquer efeito positivo pois tomo esses mediacamentos há 2 anos e nada… Não vi melhoras! Submeti-me a uma aretrsocopia para “limpeza” dos destroços da cartilagem que tambem não surtiu qualquer efeito… É uma tristeza que aos 46 anos ande com muita dificuldade, não possa correr nem fazer uma série de movimentos que fazia há 2 anos atrás.. Sinto-me como se tivesse 80 anos O problema é que não sei como poderei corresponder às exigências profissionais que tenho.

    Responder
  23. Fátima

    Não sou da área média mas sou Doutora na área de Biologia e sei que, aquilo que é verdade hoje na ciência, amanhã pode ser o contrário. Por isso, não vou parar de tomar um remédio por que n% não obteve resposta e de acordo com publicações recentes. Mas infelizmente, eu usei essa associação Glucosamina mais condroitina,. sentir melhoras mas parei porque apresentei taquicardia. O meu ortopedista duvidou.

    Procurei outro que sugeriu o tratamento com injeções de synvisc one , a cada 8 meses.
    Para uma doença degenerativa, tem-se que se passar á frente dela. Isso significa fisioterapia, ultrasom, tenns, bolsa de gelo para aliviar a dor, hidroterapia para fortalecer a musculatura da perna e mais condroitina, glucosamina ou associação de ambos ou as injeções. É uma luta.

    Responder
  24. Jornalista Kirk Douglas

    Acabei de ler a matéria sobre o comparativo eficaz envolvendo Condroitina e glicosamina e percebi muito ceticismo por parte de quem escreveu e muito mais por parte desses supostos pesquisadores que, inclusive, não foi colocado um link probatório que pudesse credibilizar a matéria. O que li foi apenas informações declaratórias. Algumas coisas não concordei e a pior delas foi o sr. Leonardo Fontenelle contrariar os efeitos desses medicamentos forçando uma aceitação de que os mesmos não trazem resultados satisfatórios para os pacientes que usam. Pesquisando pela internet, podemos encontrar uma infinidade de pessoas que conseguiram resultados extremamente benéficos e, inclusive, lendo os comentários abaixo, pude encontrar muitas pessoas que tiveram resultados positivos quando do uso desses princípios. Vi como tendenciosa publicar uma matéria desse porte entendendo que, se formos tomar medicamentos lendo a bula, jamais conseguiremos tomá-los devido às reações que provocam. A mesma coisa são essas pesquisas que permeiam a internet informando disso ou daquilo. A sociedade necessita de matérias que impregnam otimismo, mesmo sabendo que resultados adversos podem surgir. É isso que todos precisamos! – O autor da matéria insiste em dizer que não realiza consulta pelo blog, mas, contudo, deprecia um medicamento que a maioria das pessoas idosas toma diariamente. Isso tende a mostrar que o medicamento que ele indicar fora do circuito virtual é o melhor. Todo tipo de medicamento tem as suas consequências e isso não é um fator absoluto e nem tampouco isolado. Depende muito do organismo de cada pessoa. Minha mãe por exemplo é portadora de Mal de Parkinson e artrose. Ela se dá super bem com com esses medicamentos ARTROLIVE e DINAFLEX. Os medicamentos foram e são bons para ela. A reação no organismo dela foi benéfica e adequada. Noutras pessoas, certamente, não tiveram o efeito esperado. Portanto, caro autor da matéria, aqui vai uma dica extremamente importante, nunca publique uma matéria de cunho científico sem apresentar os dois lados da finalização do tema. Ao falar mal sobre um medicamento, aproveite para mostrar que outros podem ser melhores. Isso não será uma consulta e sim uma informação acompanhada da famosa frase “consulte o seu médico sobre o medicamento antes de usá-lo”.

    Responder
  25. Elzi Felisberto

    OU o artro live e bom ou faz milagre. Não só pra mim como vários picante com cirurgia de joelho ,coluna maraca dos para cirurgia .Que comes saro a fazer uso deste suprimento.Que hoje levam uma vida normal ,assim com eu.pra mim ele está acima de todos os outros tratamento. Recomento .

    Responder
  26. Joselino

    Doutor Leonardo, tenho desgaste na cartilagem dos joelhos, já fiz cirurgia do menisco, estou procurando uma solução, encontrei na internet o Genacol, esse medicamento realmente auxilia no retardamento do desgaste e nas dores?

    Responder
  27. Ariadne Esteves

    Comprei o composto glicosamina + condroitina, receitado para osteoartrose por 2 médicos, e notei grande piora da dor. Pesquisando para saber se havia carboidratos, pois pretendo fazer dieta sem carb, achei seu post. Jogando o medicamento no lixo em 3, 2 …

    Responder
  28. Rosita Capelo Fonteles

    Medicamentos falsificados: essa questão é nossa

    Acabar com os remédios falsificados que circulam no mercado comprometendo a vida do cidadão brasileiro é uma questão de vida ou morte, portanto exige prioridade. Convidamos você a se unir a nós nesse movimento. PARTICIPE.

    Em 2013 o MPF (Ministério Público Federal) publicou um relatório com orientações para a fiscalização do Programa Farmácia Popular do Brasil, que enfoca a venda fantasma de medicamentos por parte dos comerciantes para a obtenção de lucros ilícitos. A Farmácia Popular do Brasil é uma iniciativa do governo para ampliar o acesso à população, diminuindo o custo de medicamentos básicos para enfermidades crônicas como diabetes, hipertensão, entre outras.

    Ao receber denuncia o MPF iniciou investigação em determinada região e constatou que em 2 anos aproximadamente, as farmácias conseguiram repasses federais em valores que superaram R$ 2,5 milhões fraudando o Programa. Comprovaram a falsificação de receituário médico, de assinaturas de clientes, vendas feitas a pessoas que jamais compraram no estabelecimento e até mesmo para pessoas já falecidas. A partir de então diversas farmácias foram descredenciadas por fraude. O MPF está fazendo a sua parte, mas o povo agora precisa fazer a sua.

    Existe um problema ainda mais grave que a venda fantasma de medicamentos, que é a venda de medicamentos falsificados, pois afeta não só o bolso do cidadão, mas a vida. Já é comum encontrarmos nas farmácias brasileiras medicamentos que “não funcionam”. Se um remédio não funciona é bem provável que seja um dos falsificados, pois seu principio ativo, sua formula não está certa.
    Para evitar que isso continue acontecendo solicitamos a sua colaboração. Quando suspeitar que um remédio “não funciona”, primeiro converse com o seu médico, ele pode ter se enganado no diagnostico do seu problema ou na dosagem do seu remédio. Mas se seu médico estiver certo, então pergunte a ele de que laboratório deve comprar esse medicamento e siga a sua orientação. O seu problema foi resolvido? Então tome duas providencias:
    1) Divulgue o ocorrido, isso pode evitar que outras pessoas também comprem esse medicamento que não funciona. No facebook, redes sociais, entre amigos, faça com que essa informação chegue ao maior número de pessoas possível. Todos precisam saber quais são os medicamentos que não funcionam, portanto falsificados, que estão sendo vendidos no mercado, quais as farmácias que estão vendendo esses medicamentos e quais os laboratórios que os estão produzindo. Desta forma também podemos limitar as ações dessa quadrilha.
    2) Solicite ao MPF que investigue a possibilidade de se tratar de um medicamento falsificado. Aqui: http://cidadao.mpf.mp.br/. O cidadão brasileiro não tem que provar que o remédio é falsificado, só tem que denunciar relatando o ocorrido, cabe aos órgãos competentes fazerem as devidas investigações. A verdade só precisa ser dita, essa ideia de que só podemos falar com provas, segue alimentando esse comercio ilegal. Relatar um fato não significa que estamos acusando ninguém, significa que estamos tentando solucionar um problema e colaborando para que outros não passem pela mesma situação.
    Exemplo de como divulgar esses medicamentos: (fictício)

    Medicamento: Losartana 50mg (Para hipertensão)
    Funcionou? Laboratório Lote Data de fabricação Data de
    validade Data da compra Farmácia
    (nome/end.)
    NÃO AAAAA 0966/14 10/2015 10/2017 04/01/16 Farmasai/ (Rua do Buraco…)
    SIM BBBBB 0968/14 11/2015 11/2017 07/03/16 Farmafica/ (Av. Luz do Sol…)
    OBS Acrescente aqui outras informações que considerar importante tipo: É um remédio genérico, foi comprado através da Farmácia Popular do Brasil, é um similar, ou “Fui comprar o Losartana, mas comprei o Losartanoide porque a moça da farmácia disse que era a mesma coisa e mais barato.” (Se deveria fazer o mesmo efeito e não fez, DENUNCIE, alguém precisa responder por esse crime, não se pode continuar brincando com a saúde da população dessa forma.)

    Não é necessário ter obrigatoriamente todas essas informações, mas o maior número delas pode facilitar as investigações e se possível guarde a receita do seu médico, pode ser útil, talvez ele ainda possa colaborar mais. Se divulgarmos o certo e o errado, favoreceremos também aqueles que trabalham com consciência e responsabilidade, reconhecendo e fortalecemos os bons atos. Ao mesmo tempo que combatemos as ações criminosas dos bandidos da indústria farmacêutica.

    Se todos seguirem esses procedimentos aos poucos esses medicamentos não serão mais comprados e os beneficiados não terão mais esse lucro, portanto serão desestimulados a colocar remédios falsificados no mercado. Mas lembre-se que o MPF não adivinhou que estava havendo irregularidades na venda dos medicamentos do programa Farmácia Popular do Brasil e sim, recebeu informações que o ajudou a realizar seu trabalho. Observe que a denuncia pode ser uma ação mínima, mas fundamental para a solução desse problema. Se cada um fizer a sua parte com compromisso e honestidade, construiremos não só um Novo Brasil, mas um novo mundo.

    A comercialização de remédios falsos já rendeu entre US$ 75 e US$ 200 bilhões por anos aos criminosos. Só em 2014, 700 mil pessoas no mundo morreram devido a tratamentos com medicamentos falsificados, hoje esse quadro deve está ainda pior. Com a colaboração de todos podemos mudar essa realidade, essa questão é nossa.

    Por favor, colabore também com a divulgação dessa proposta, repasse.
    Grata
    Rosita Capelo Fonteles

    Responder
  29. Maria Josi Gomes

    Seria bastante satisfatorio que em vez de estar perguntando isto ou aquilo e depois ficar criticando o medico pelas respostas ,seria mais prudente cada um avaliar-se e ver que o medicamento em discursao esta fazendo em seu corpo.Eu por exemplo,tomo artolive ha uns 5 meses .cada dia meu joelho incha mais as dores as vezes muito forte.ENTAO PARA MIM EU JA SEI QUE ELE NAO SURTE EFEITO.PORQUE INSISTIR EM TOMAR / tem que ter sabedoria e bom senso.para voce ele nao serve.Eis a questao para mim e mesmo que tomar agua…

    Responder
  30. Fátima Rocha

    Tenho artrose dos joelhos e mãos e sofria com dores horríveis, contyínuos inchaços das articulações, além de ter muita dificuldade de subir e descer escadas. Há 2 anos comecei a tomar um suplemento de sulfato de glucosamina + sulfato de condroitina e passados cerca de 2 meses a diferença já era notória. Passados dois anos, as dores dos joelhos desapareceram completamente. Nas mãos, os inchaços e dores são agora muito raros e quando acontecem demoram, no máximo, um dia. Ao longo do primeiro ano de tratamento, fiz dois intervalos de descanso de 1 mês e nesse período as dores e inchaço dos dedos das mãos voltaram a acontecer com mais frequência. A partir daí não voltei a fazer intervalo. Uma pessoa amiga, que sofria muito de artrose dos joelhos, e a quem falei da minha experiência, decidiu tomar também o suplemento e diz que as melhoras são muito consideráveis. Outras pessoas que conheço e tomam a glucosamina e condroitina também referem melhoras nas dores e dificuldades de movimento. Daí que considero que os resultados desses estudos não me parecem ser muito credíveis ou, pelo menos, tão categóricos.

    Responder
    1. Leonardo Fontenelle Autor do post

      Obrigado por indicar esta nova revisão sistemática, Clarissa. A propósito, ela chega às mesmas conclusões da revisão que eu tinha indicado neste artigo. Analisando os artigos como um todo, esses suplementos parecem ter um efeito pequeno sobre a dor articular. No entanto, quando os estudos são separados conforme o patrocínio e conforme o tamanho da amostra, os estudos mais confiáveis são os que não mostraram efeito.

      Responder
  31. Cleusa guarnieri

    Tenho uma cadela que teve ruptura do ligamento do joelho quase não andava mais o veterinário recomendou cirurgia para reconstituição devido a idade dela 15 anos e uma cardiopatia não quis arriscar e em 4 meses ela voltou a andar normalmente,ela não sabe o que esta ingerindo portanto não foi influencia psicológica que lhe tirou a dor,creio que vale muito a pena tentar o tratamento

    Responder
    1. Leonardo Fontenelle Autor do post

      As orientações que compartilho aqui são para a saúde humana, e podem não se aplicar a casos individuais, de forma que não substituem consulta médica. Quanto ao efeito placebo, ele envolve mais do que saber qual é a composição de uma cápsula. O simples fato de uma pessoa estar sendo cuidada influencia em muito em sua melhora, além do efeito específico do tratamento.

      Responder
  32. Regina Lúcia Fraga

    Tomo glicosamina+ condroitina, desde que o Rumalon (injeção), saiu de linha. Faz 16 anos, e meus joelhos estão bem. Se não fizessem efeito nenhum, eu já estaria usando bengala, ou posto prótese !!

    Responder
  33. Monica

    Vamos resumir: não há eficácia comprovada, não é? Um medicamento caro, patrocinado pela indústria farmacêutica e que produz um gasto enorme no bolso de quem sofre essa doença incurável. Mas o desespero faz a gente consumir o medicamento.

    Responder
  34. Isadora

    Compartilho da dúvida da Amanda:
    E o UC-II? Pergunto isso porque entendo que a maioria das pesquisas que identificaram que o UC-II é mais eficiente que a C+G também são patrocinadas, o que me deixa com dúvidas quanto à eficácia.
    Grata

    Responder
  35. Adriana

    Então, mesmo aumentando a cartilagem do joelho tomando a glicosamina e condroitina a longa prazo e com restabelecimento da cartilagem da pessoa ainda irá continuar a sentir dor???

    Responder
  36. Dirce N. Navarro

    para mim e mais várias pessoas que conheço este medicamento tira sim 90% da dor e diminui consideravelmente e muito visivelmente o entortar dos dedos. Eu que comecei a tomar desde que começou tenho poucos problemas e minha irmã já ficou mais prejudicada pois só descobriu este medicamento qdo praticamente já nem podia fazer seus trabalhos manuais que tanto gosta. Não só paralisou o entorse dos dedos como pode voltar aos trabalhos manuais com mais facilidade. Espero que não se proiba este medicamento sem uma pesquisa mais ampla, inclusive usando os resultados dos milhares que o usam e dependem dele para uma qualidade de vida melhor.

    Responder
  37. MARIA CÉLIA SEQUEIROS JARÁUTA

    Dr. Leonardo, por favor me diga o porquê de não ter a combinação destes medicamentos – condroitina e gicosamina injetáveis para seres humanos, se para animais como por exemplo cavalos e cães existe.

    Responder
  38. Verônica

    Estou tomando a duas semanas estou me sentindo melhor tenho hérnia de disco l5 e s1 e operei depois de três anos voltou e agora devido ao esforco físico do meu trabalho meu médico disse estou problemq articulação meu joelho dóia muito agora me sinto um pouco melhor só acho muito caro.

    Responder

Deixe uma resposta