Visita domiciliar de bicicleta

O médico de família e comunidade Paulo Poli, de Florianópolis, virou garoto-propaganda do uso de bicicleta como transporte urbano. Além de ir trabalhar de bicicleta, vencendo uma distância de 13,5 km em meia hora, ele também usa o veículo para fazer suas visitas domiciliares. A unidade de saúde em que ele trabalha divulgou a experiência em seu blog, e a seguir foi a vez da rede de televisão local e da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade.

Houve uma época em que eu também usava bicicleta para fazer visita domiciliar, porque meus pacientes se distribuíam em uma área relativamente extensa. Hoje em dia prefiro ir a pé, já que as distâncias são bem menores. Também não posso ir ao trabalho de bicicleta, porque o trajeto inclui um trecho com o sugestivo apelido de “curva da morte”.

Fotografia de garota andando de bicicleta, vista de perfil.

Conheço muitos agentes comunitários de saúde que fazem suas visitas domiciliares de bicicleta, própria ou cedida pela secretaria municipal de saúde. E você, o que acha? Já trabalhou (ou foi ao trabalho) de bicicleta? Quais foram as vantagens, e desvantagens, que percebeu?

10 ideias sobre “Visita domiciliar de bicicleta

  1. Jorge Paiva

    Também sou louco por andar de bicicleta faço todas as voltas que posso de bicicleta o único problema é que tenho que deixar em alguma casa para mais tarde vir buscar e as veses fica muito tarde já teve uma vez que no retorno das visitas domiciliares o portão estava fechado e tive que voltar para casa a pé.

    Responder
  2. francisca mergen

    ja fazen doze anos que eu trabalho de acs de bicicleta fazen uns quatro anos que me roubaran ela ai com muito sacrificio comprei uma outra usada e muito agradavel e faz muito bem p a saude beijos

    Responder
  3. ney barreto

    olha faz 07 anos que somos agente comunitario de saude zona rural e fazemos em media 20 a 30 km, ´so que de carro ,não temos condiçoes de ir de bicicleta por ser longe demas e tambem gastamos em media 135,00 reais de gasolina por mes ,o dinheiro que pagamos e do nosso bolso ,nao temos recurso………e triste demas

    Responder
    1. Magno - Guarujá/SP

      A prefeitura da sua cidade não arca com as despesas de transportes? Já pensou em entrar com processo administrativo ou buscar diálogo junto ao setor de recursos humanos?

      Responder
    1. Leonardo Fontenelle Autor do post

      Fátima, andar de bicicleta não faz ninguém adoecer da coluna. Mas, se a sua posição na bicicleta for inadequada, sua coluna pode doer, especialmente se você ficar muito tempo na mesma posição e se você já tiver algum problema de coluna. De uma forma geral, as bicicletas menos esportivas, com o guidão mais alto, são mais confortáveis.

      Responder
  4. MARIA CELIA

    A pratica de fazer as visitas domiciliares de bicicleta deveria ser ainda mais divulgada, para as regiões urbanas onde as pessoas são mais que sedentarias. Trabalhei em uma cidade do interior do Espirito Santo como enfermeira da Estrategia Saude da Familia, onde as agentes de saude de minha equipe usavam a bicicleta como seu meio de transporte para o trabalho e seus afazeres na cidade. Diminui o fluxo de carros na cidade, poluição e sem contar os beneficis à saude.
    Abraços

    Responder
  5. Magno - Guarujá/SP

    Aqui na Usafa onde trabalho, um médico de nossa equipe usava bicicleta pra chegar ao posto, e tinha vezes que vinha até de skate motorizado!

    Responder

Deixe uma resposta