Rotatividade do médico na Saúde da Família faz mal à saúde (e ao bolso)

Uma das maiores dificuldades na estratégia Saúde da Família é lidar com a constante troca dos profissionais, principalmente dos médicos. Essa rotatividade afeta diretamente a moral dos profissionais, de suas equipes, e de seus pacientes, mas esse impacto é subjetivo, e muitas vezes passa desapercebido pelos gestores. Então resolvi divulgar aqui um estudo que mostra o impacto objetivo da rotatividade profissional na saúde da população e nos custos do sistema de saúde.

A autora principal da pesquisa foi a médica de família e comunidade Claunara Mendonça, que cursava mestrado profissional de epidemiologia enquanto dirigia o departamento de atenção básica do Ministério da Saúde. Os pesquisadores reuniram dados de diversas fontes para observar a relação entre a expansão da estratégia Saúde da Família e a redução das internações preveníveis em Belo Horizonte, de 2003 a 2006.

Além da expansão da estratégia Saúde da Família, o tempo de permanência do médico na mesma equipe também se mostrou associado a uma redução nas taxas de internação. Por exemplo, se uma equipe atende a 3500 pessoas, e conta com o mesmo médico há 2 anos, são 4 ou 5 internações a menos por ano.

Não que internar seja necessariamente uma coisa ruim. Para quem precisa, é ótimo! Mas o melhor mesmo é não precisar, e hoje em dia se sabe que algumas causas de internação podem ser prevenidas por uma atenção primária à saúde de qualidade.

Quanto ao custo, cada internação hospitalar custa, em média, R$ 941 (dados do Espírito Santo). Voltando ao exemplo, o fato de um médico estar há dois anos numa equipe implica uma economia de cerca de R$ 4 mil por ano, só em internações. Nada mal, hein?

Eu já tinha escrito sobre a importância da continuidade da relação médico-paciente, mas achei importante ilustrar com esse estudo brasileiro. Até porque em breve devo publicar outro artigo, sobre como diminuir a rotatividade dos médicos e outros profissionais, novamente com base em estudos brasileiros. Até lá!

9 ideias sobre “Rotatividade do médico na Saúde da Família faz mal à saúde (e ao bolso)

  1. ROSILENE ALMEIDA

    OLA MESTRE ,ADORO SUAS MATERIAS SEMPRE RICAS….SOU FACILITADORA EM CAPACITAÇOES DE FUNCIONARIOS TECNICOS E ACS DE SAUDE GOSTARIA MUITO QUE DENTRO DE SUAS POSSIBILIDADES TENDO ALGUM MATERIAL SOBRE ACS CONVENCER USUARIOS EX.SOBRE PAPANICOLAU,CAPACITAR TECNICOS SOBRE PODER DE CONVENCIMENTO,ETC FICAREI MUITO GRATA.

    Responder
  2. Maria de Fátima

    O médico precisa de interagir com o paciente, e quando fica esse troca troca, dificelmente vão se interagir, pois é preciso mais tempo para que o paciente consiga realmente relatar os sintomas ao seu médico, dificultando o estudo do diagnóstico que muitas das vezes é complexo. Mesmo que se tenha o histórico de cada um o importante para mim que não sou médica seria não ficar trocando, dando tempo para que o médico possa melhor conhecer seu paciente e também mais liberdade do paciente poder se relatar, essa correria só atrapalha tanto um como o outro.

    Responder
  3. Fátima

    Importante fazer uma prevenção geral, para diagnosticar várias doenças que devem ser tratadas antes de se agravarem.

    Responder
  4. Carme Lucia

    Olá Doutor Leonardo.
    Sempre leio seus e-mail e sinto como você é um apaixonado pela “saude da familia”preocupado com a relação médico paciente…enfim um profissional comprometido!
    Parabéns!
    Sucesso!

    Carme

    Responder
  5. Fátima

    Comprometer-se é dedicar-se . Parabéns Dr. Leonardo que Deus O Abençõe por toda sua vida. E que todos os profissionais da Saúde sigam o seu exemplo, e agradeço a Deus por você existir.

    Responder
  6. Lucinda

    Boa tarde Doutor |Leonardo! Gosteu muito do seu comentário referente a relação médico paciente no Programa de Estratégia da Saúde da Família, acredito que os ´gestores deveriam valorizar mais os médicos que atendem sesses Programas, para que não haja rotatividade, pois isso atrapalha no bom desempenho da equipe em prejuízo do paciente. O vínculo construído entre médico paciente é importantíssimo e ajuda no diagnóstico e na resolutividade da maioreia dos problemas que poderiam chegar aos especialistas ou internamentos. A prevenção é a melhor estratégia para medicina e menos sofrível, portanto precisa ter bons médicos e toda logista necessária, pois encontramos Programas que não possui nem veículo para a locomoção da equipe. Gostaria de receber todos os Artigos que o Sr. publicar, se for possível é claro, tendo em vista que o meu filho se forma em julho deste ano e é bem possível que ele inicie sua carreira trabalhando no PSF, faço a maior torcida, porque gosto muito do trabalho com família atuo na Política de Assistência Social e ministro palestra na área de famílias e poço observar como são nítidos os resultados. Parabéns, muito sucesso.

    Responder
  7. Fátima

    Importantíssimo a interação médico-paciente, facilita na elaboração do diagnóstico, dá segurança ao paciente ele saber que existe um profissional cuidandode sua saúde.

    Responder
  8. Pingback: Qualidade da Saúde da Família no Espírito Santo | Doutor Leonardo

Deixe uma resposta